Cante sem chorar!

12.9.09

Bienal do Livro


Ontem fui à Bienal do Livro,aqui no Rio!E hoje devo ir novamente!Adoroooo!

Aquele cheiro de livro novo é maravilhoso, uma delícia. Gosto de olhar os livros bonitos que eu não tenho dinheiro pra comprar, e também os que eu compro mesmo sem dinheiro pra pagar. Gosto de olhar os livros que tenho dinheiro pra comprar, mas que não compraria jamais. Mas a parte mais divertida, sem dúvida, é passar pelo setor de auto-ajuda. “Casais inteligentes enriquecem juntos”, “Como solidificar seu relacionamento sem discutir a relação”, “Sendo um líder inesquecível”, “Ensinando seu filho a ser um vencedor”, “O sucesso é você quem faz”, “Vencendo o medo”, “Quando você é seu maior inimigo”, “Emagreça comendo”, “Alimentando a bruxa que há em você”, “Como fazer amigos e influenciar pessoas”… Aff. Tem receita pra tudo. Os livros de auto-ajuda são os mais vendidos, e ficam bem nos primeiros stands.Isso acontece também nas livrarias,estão sempre junto à porta. As pessoas que compram esses livros são engraçadas. Elas olham, olham, olham e escolhem sempre os mesmos. Tem uns que disfarçam, mas depois voltam e pegam escondido. Outros levam cinco ou seis de uma vez. Outros perguntam pra quem está perto, “já leu esse aqui? Funciona? Puxa, vou levar!”. E tem quem escolha decididamente e em silêncio.Eu odeio livros de auto-ajuda, todo mundo sabe.O que mais me chama a atenção é a proliferação desse gênero de leitura. Até livro, ultimamente, tem que ser funcional. Tem que dar resultado. Pra mim, dá mais resultado ler um poema que me faça pensar, ou uma história, ou uma explicação científica ou religiosa pras coisas da vida, ou conhecer a biografia de gente de verdade que tem algo a ensinar. Mas o que eu vejo nesses livros, no monte de e-mails que me mandam e no discurso das pessoas, é uma obrigação chata de ser feliz. E, devo lembrar… Toda obrigação é opressora.Sim, temos que ser felizes todo o tempo! Vamos ser magros, lindos, bem sucedidos, sem problemas no amor e nem na conta do banco. Se você não consegue, é porque você não quer. Basta seguir um programa de nove ou doze passos pra aprender. Seja feliz! Sorria! Perdoe! Passe por cima! Compreenda! Vença! E não esqueça de pagar a conta na saída.As pessoas desaprenderam a sofrer. Elas têm horror a sofrimento, e sofrem só com a idéia de sofrer. Sinto no ar um desespero silencioso, que é sempre abafado por um sorriso e um “tudo bem, vai passar”. As pessoas acham feio sofrer. Acham feio estar fora das regras. Acham feio errar. E não percebem que, assim, sofrem duas vezes. Não estou fazendo apologia do sofrimento, nem sou masoquista. Deus sabe que o pessimismo me irrita, e que, como diz aquele samba, a coisa mais feia é gente que vive chorando de barriga cheia. Sou a primeira a enxergar que depois da tempestade vem a bonança. Mas também sei que a dor, nessa vida da gente, é inevitável. E quando ela vem, procuro aprender com ela, e não fingir que ela não me pega. O problema é que muita gente não entende isso. É por isso que pensei em escrever uma nova declaração, assegurando o direito de errar e sofrer.
Nossa...que post grande.No próximo eu falo sobre os livros que comprei!

13 comentários:

R.Vinicius disse...

Oi. É por isso que eu digo que é um privilegio conhecê-la. É verdade. Concordo contigo. Sobre os livros que comprastes, estou curioso, a saber. Abraço.

EXAGERADO disse...

Oi,linda

Puxa,estava querendo ir com vc...Vamos amanhã comigo??A Aline foi hoje também,mas eu fui para o Maracanã!

Beijos

O Profeta disse...

Troquei as voltas a um Golfinho feliz
Afagei a cria de uma Baleia azul
Confundi uma nuvem com ilha encantada
Perdi-me na rota entre o Norte e o Sul

Aprisionei o olhar de uma gaivota
Enchi a alma com penas de imensa leveza
Enchi o coração de doce maresia
Adormeci nos braços da incerteza

Vem viajar comigo no meu barco de papel


Bom domingo

Doce beijo

Marisete Zanon disse...

Caramba lindinha! Eu tbm ODEIO livro de auto ajuda! Como eu queria poder visitar essa feira...assisti um pouco sobre na tv. Mas já disseram que na nossa feira de livros aqui de Foz tbm não falta nada do que tem em outras feiras, será verdade?
esmaques lçindaaaaa!

Marisete Zanon

Marisa disse...

Olá,bonequinha

Eu tb moro no Rio e acredita que ainda não fui à Bienal???E olha que moro perto...mas,ainda vou e vou comprar muuuuitos livros!!
Também não gosto de auto-ajuda;adoro Biografias,História Mundial e Sociologia...mas,antes vou ao oftalmo,trocar as lentes...rs

bjus

Pâmela Rodrigues disse...

Eu ainda vou a Bienal, nossa você tem razão mesmo.
Ser obrigado a ser feliz deve ser pior que ser infeliz naturalmente.
Rs...

ótimo post, queridona.
Ahhh, deixei selinhos pra você em meu blog.
Beijos

Tatiana disse...

Eu também amo Feira de Livros... o cheirinho de um livro novo é sempre bom!
Quanto aos livros de auto ajuda... acho que em alguns momentos são bons pois nos ajudam a enxergar melhor os nossos próprios sentimentos...

Beijos com meu carinho para você!

LiLi disse...

Eu fui no sábado!
Maravilhoso, tudo que posso dizer! Amo livros e gostei mto. me controlei e comprei um só! Mas queria mesmo é sair carregada de lá rsrs
vou me aventurar e comprar alguns titulos pela internet

Joyce disse...

Vizinhaaa...
Fui no domingo e adorei !
Pena que estava muito cheio...!
Mas eu sempre tô on pela noite...
Beijos!

Georgia disse...

Oi, cheguei até aqui por indicacao do blog Anexo sem nexo.

Gostei muito do que li. E sua perna está melhor da mordidinha, rs.

Gostava demais das bienais que fui; hoje em dia está mais difícil.

Vi que vc gosta muito de livros; nao sei se vc já conhece esse blog aqui:
http://www.elasestaolendo.blogspot.com/

Lá falamos sobre livros, resenhas, se gostar gostaria de ter uma resenha sua por lá.

Abracos

Evandro Varella disse...

Pris,
Pena que não tem Bienal aqui em BH...
Ia muito quando morei em Sampa, a gente se diverte e sempre acaba fazendo umas comprinhas...
Vi que o link que você postou no BlogGincana, tá redirecionando pra outro Blog que não é o seu, talvez dê pra corrigir.
Beijão

Aline Aguayo disse...

Sabe que eu concordo...
Eu vejo o "ser feliz" como uma missão pessoal. Não uma obrigação.
Eu busco, quando eu quero, onde eu quero, com quem eu quero, da forma que quero.
Só a gente sabe o grau da nossa felicidade. Eu só fico, onde ele é bem elevado e isso nem sempre segue padroes. Só segue os meus!

beijo!

Natschibe2 disse...

Oi querida Blogueira,
Gosto de seus textos viu?
Mas o que nao gosto é de arrogância, e quem somos nós para julgarmos os outros e o que eles lêm? Sempre é melhor ler alguma coisa do que ficar em casa ver TV, você nao acha?
beijo,
Natchibe2